Apresentação

Grandes parcerias geram grandes resultados!

A Fundação Meridional de Apoio à Pesquisa Agropecuária foi instituída em 21/12/1999, com a participação de produtores de sementes dos Estados do Paraná, São Paulo e Santa Catarina. Com sede em Londrina - PR, a entidade viabiliza a cooperação técnica e financeira com programas de pesquisa de instituições públicas nacionais, contribuindo para o desenvolvimento e a modernização da agricultura brasileira.

Além do apoio técnico e financeiro à pesquisa, a Fundação Meridional desenvolve trabalhos ligados à transferência de tecnologia aos agricultores, através da realização de Vitrines de Tecnologias, Dias de Campo, Palestras, Unidades Demonstrativas, entre outras metodologias de divulgação. São oportunidades de mostrar a melhor tecnologia de produção, novas técnicas de defesa fitossanitária e manejo conservacionista do meio ambiente, assegurando a rentabilidade da atividade agrícola.

Através de convênios firmados com a Embrapa e Iapar, são desenvolvidos trabalhos relacionados aos programas de melhoramento genético das culturas de soja, trigo e triticale.


A maior representatividade nacional

Os trabalhos da Fundação Meridional estão, atualmente, dirigidos para o incremento das culturas de soja, trigo e triticale, que são espécies vegetais muito importantes para o agronegócio brasileiro. A soja por representar um grande volume nas exportações e o trigo, por sua vez, por estar em franco crescimento em busca da autossuficiência da indústria moageira no Brasil.

A importância e o alcance deste trabalho podem ser dimensionados pela representatividade que a Fundação Meridional tem no cenário nacional. Atualmente são 61 colaboradores, produtores de sementes nos estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, que compreendem a Região Meridional do Brasil.

Na soja, estes produtores representam um mercado de 263 mil toneladas de sementes, equivalentes a 95% de toda semente produzida nos quatro estados, correspondendo a 37,5% da produção nacional.

No trigo e no triticale, são responsáveis por um mercado de 150 mil toneladas de sementes, correspondendo a 88% do total produzido nos quatro estados e 60% da produção nacional destes cereais. Além disto, os quatro estados (SC, PR, SP e MS) respondem, ainda, por 55% da produção brasileira de grãos.

O apoio ao desenvolvimento das pesquisas, objetivada pela Fundação Meridional, conta com uma equipe altamente qualificada para a execução das mais diversas atividades. Com pessoal da própria Fundação e também da Embrapa e do Iapar, totalizando 36 pesquisadores, 18 agrônomos, 32 técnicos agrícolas e 102 operários de campo. O longo alcance geográfico e a descentralização são outras características do projeto, que permitem atender a um grande número de agricultores: são 21 locais de ensaios de soja e 17 locais de ensaios de trigo, estrategicamente distribuídos pelos estados de SC, PR, SP, MS, GO e MG, onde são testadas milhares de linhagens, visando a obtenção de novas cultivares melhor adaptadas às mais diversas condições edafoclimáticas.

Valor do projeto

Para assegurar a realização de um projeto de tão longo alcance, a Fundação Meridional viabiliza uma estrutura com aparato tecnológico muito grande. Para isso, além do esforço próprio (com recursos materiais, humanos e financeiros), está em constante busca de colaboradores mantenedores (empresas e entidades públicas ou privadas do setor agropecuário).

Anualmente, são investidos aproximadamente R$ 3.000.000,00 para apoio ao desenvolvimento da pesquisa e da transferência de tecnologias aos agricultores, nas culturas de soja, trigo e triticale.

Os benefícios

Toda a estrutura montada pela Fundação Meridional, em parceria com obtentores e colaboradores que participam do projeto, visa obter resultados práticos, com tecnologias que serão incorporadas ao dia-a-dia dos agricultores. São executados, anualmente, testes em milhares de linhagens de soja, trigo e triticale, permitindo a obtenção de novas cultivares, que serão produzidas com exclusividade por seus colaboradores. Até a safra 2013/2014, já foram lançadas 18 novas cultivares de soja convencional, 16 transgênicas e 4 para alimentação humana, além de 21 variedades de trigo e 2 de triticale.

Juntamente com a difusão do avanço genético das cultivares, realiza-se um grande número de eventos com o objetivo de transferência aos agricultores da melhor tecnologia e manejo de produção, garantindo aumento da rentabilidade e competitividade. São aproximadamente 100 Dias de Campo na cultura da soja e mais de 30 Dias de Campo nas culturas do trigo e triticale, atingindo um público superior a 25 mil pessoas a cada nova safra. Consolida-se cada vez mais a rentabilidade e a sustentabilidade do agronegócio para o homem do campo.

Desta forma, estabelece-se o desenvolvimento do maior mercado de soja, trigo e triticale do Brasil e da maior rede de ensaios das Regiões Sul e Sudeste do Brasil.

O resultado: Um forte elo entre pesquisa, fornecedores de tecnologia e nossos agricultores.